Mensagem de Ano Novo de S.E. o Sr. Embaixador aos Funcionários da Embaixada da Guiné-Bissau em Portugal

 

Embaixada da Guiné-Bissau em Portugal

 

Mensagem de Ano Novo

Estimados Colegas,

 

Carinhosamente, começo por endereçar a cada um de vós os meus votos de Feliz Ano Novo, extensivo às vossas famílias, rogando a Deus que abençoe cada lar e cada ente querido dos diplomatas e funcionários desta Embaixada, que também é a casa de cada um de nós e a nossa casa comum, que partilhamos no labor de cada dia.

Quero também agradecer penhoradamente o empenho daqueles, de entre nós, que afincadamente se entregaram ao exercício sério das suas funções no ano que findou, revelando-se bons funcionários, bons trabalhadores, conscientes das suas responsabilidades, enquanto servidores públicos, ao serviço do bem-comum e da Pátria que nos une.

NÓS SOMOS SERVIDORES PÚBLICOS, servimos o Estado e os cidadãos, esse é dever fundamental da nossa função. É para servir que nós aqui estamos. Esse será o nosso lema em 2018 e sempre.

Em 2017 tentamos reestruturar os serviços da Embaixada, a fim de os adaptarmos às necessidades, respondendo aos desafios que encontramos, servindo melhor os guineenses residentes em Portugal e os desígnios do nosso Estado. Definimos estratégias, planos de acção sectórias, definimos metas. Mas não atingimos cabalmente os nossos propósitos. Ficamos aquém do que desejávamos. Agora é hora de nós, individual e coletivamente, analisarmos as causas, identificarmos as nossas fragilidades endógenas e exógenas, as nossas necessidades realizáveis e definirmos NOVO RUMO.

O ano 2018 apresenta-nos novos desafios. É TEMPO DE MUDANÇA nesta Embaixada. Neste Novo Ano, temos de concretizar tudo o que nós havíamos planeado para 2017 e acrescentar NOVAS METAS. Metas realistas, mas ambiciosas, porque nós temos a ambição de mudar para melhor. Queremos servir melhor, ajudar mais e ser mais úteis. Porém, o cumprimento dessa nobre ambição depende de cada um de nós, de cada diplomata, de cada funcionário, do nosso empenho, da nossa seriedade, do nosso interesse pela condição e pelas dificuldades daqueles que servimos.

Neste início de ano, eu quero obter o compromisso de cada um com os seus deveres. Quero energia e entrega. Quero mais responsabilidade, maior coesão e uma equipa de patriotas que “vistam a camisola” da Guiné-Bissau, para servir os guineenses cá e de lá.

Peço a cada um que no seu relatório do ano 2017, faça um balanço crítico e apresente conclusões e sugestões para a melhoria dos serviços. Neste primeiros 15 dias do ano vamos todos reequacionar a nossa acção. É um exercício que se impõe a todos nós, em todas as áreas. No Departamento de Assuntos Políticos e Cooperação, vamos repensar e implementar o incremento rápido e substancial das nossas relações bilaterais com Portugal, o cumprimento da Agenda Nacional da Guiné-Bissau para a CPLP, as parcerias com outros actores relevantes, municípios, Sociedade Civil, etc. Para isso temos de reforçar em meios humanos o nosso Serviço de Apoio à Cooperação Técnica.

No Departamento de Saúde e Apoio Social temos enormes obstáculos a vencer. Em Bissau os serviços terão de funcionar melhor, mas aqui na Embaixada teremos de ser mais eficazes, mais profissionais, mais próximos dos utentes. Teremos de melhorar muito em todos os aspetos, no monitoramento, no acolhimento e acompanhamento dos doentes.

O Departamento de Promoção Económica, Comercial e Turística terá de ser reforçado, para se converter no esteio principal da nossa diplomacia económica. O Serviço de Acção Cultural e Comunidades irá, finamente, contar com um diplomata que se ocupará exclusivamente dessa área, dando-lhe ímpeto, promovendo a inserção da Comunidade e tornando realidade a nossa Diplomacia Cultural.

No ano 2017 aumentamos grandemente o número de estudantes que ingressaram nas universidades portuguesas. OServiço de Apoio ao Estudanteenfrenta este ano o desafio de multiplicar largamente o número de estudantes com acesso ao ensino superior em Portugal. Este é um desafio que teremos obrigatoriamente de vencer.

O Departamento de Administração, Finanças e Patrimónioé o pilar que deve sustentar e apoiar a acção dos demais sectores. Teremos de melhorar regulamentos e procedimentos, modernizando quer ao nível da administração de recursos humanos, património e logística, quer no plano da gestão de tesouraria, contabilidade, controlo financeiro, como no sector do arquivo e do economato.

O Serviço de Protocolocarece de meios humanos e matérias. Teremos de ser apoiados para podermos apoiar melhor.

Já temos novo portal na internet que nos permite comunicar e prestar serviços on-line. Porém, a Comunicação institucional, a multimédia e as relações públicas necessitam de meios para poderem funcionar. Temos de superar esse desafio.

Na Secção Consular necessitamos de meios para podermos informatizar e modernizar os serviços. Criamos o serviço de Emergência Consular para atender os nossos cidadãos. Necessitamos de melhorar as condições de atendimento, dignificar o espaço físico, informatizar os Serviços de Registo Consular, de Registo e Notariado e securizar a Emissão de Vistos. Este ano 2018 temos de ampliar a rede consular para servir melhor e com menos transtornos para os nossos cidadãos.

Necessitamos de nos fazer ouvir como gente de bem. Temos de levar a nossa acção para fora das paredes da Embaixada, vamos mostrar a nossa parte boa aos portugueses e granjear prestígio para o nosso país. É para tudo isto que nós somos uma representação diplomática. Vamos assumir o nosso DEVER e CUMPRIR o nosso papel. É para isso que nós aqui estamos, para SERVIR. Nós somos uma equipa e eu conto com cada um de vós. Trabalhando com afinco, podeis sempre contar comigo.

Para todos os meus votos de um excelente Ano Novo.

Lisboa, 01 de Janeiro de 2018

 

Hélder Vaz Lopes

 Embaixador

 

 

 

 

Partilhar no facebook